Blog

Blog

A Família e o Vicio em Games

05/01/2018

 

Nessa época de férias é comum os adolescentes e até adultos passarem horas e horas jogando jogos eletrônicos. Tudo bem... Estão nas férias escolares... Mas a família pode estabelecer junto com o adolescente os limites para essa atividade, pra que eles também vivam outras experiências nas férias, inclusive, de interação com a família e amigos. É preciso equilíbrio.

A família também precisa ficar atenta quanto aos sinais de quando algo não está bem.

Porque as férias podem agravar ainda mais um problema que pode já estar acontecendo o ano inteiro com algumas pessoas.

 

O que muita gente não sabe, é que o vicio em jogos eletrônicos é um problema grave que infelizmente afeta muitas jovens, e muitas vezes as famílias não estão sabendo.

 

Recentemente, A organização mundial de saúde, a OMS, divulgou que vicio em jogos como os de vídeo game, passou a ser considerado distúrbio mental.

 

Mas... Nada de alarde! Não quer dizer que se o jovem gosta muito de jogar, e passa algumas horas jogando, que ele esteja viciado e com problemas mentais.

 

Então, A família só precisa ficar atenta e estabelecer alguns limites no que diz respeito à frequência e duração com que a pessoa joga, e dar atenção especial à intensidade com que ela interage com os jogos, principalmente, se são jogos violentos.

 

Agora o sinal de alerta acende e a família precisa interferir, quando houver desequilíbrios e sintomas como: 

  • priorizar jogar videogame a outras atividades, negligenciado os estudos, socialização com a família e amigos... não socializar, em casos mais graves aqueles que ficam trancados no quarto.. muitas vezes não come, não toma banho...

  • continuar ou aumentar ainda mais a frequência com que joga videogame, mesmo após ter tido consequências negativas, como a queda do rendimento escolar, perda de amigos, etc.

  • sintomas também na saúde e no estado emocional, na quantidade e qualidade do sono,

  • agressividade excessiva quando o pai ou a mãe tentam fazer com que a pessoa pare de jogar um pouco.

 

A OMS vai incluir a condição de “distúrbio de games”, na Na 11ª Classificação Internacional de Doenças, que será definida como “comportamento persistente de vício que leva a pessoa “a preferir os jogos a qualquer outro interesse na vida”.

 

É um vício comportamental, mas que é comparado ao vicio químico, como o da dependência química. Inclusive, o tratamento psicológico e psiquiátrico é semelhante ao da dependência química.

 

Ou seja, a família precisa interferir sim, quando os jogos estão afetando outras áreas importantes da vida, principalmente das crianças e dos filhos adolescentes. 

Fique de olho!

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Destaques

Distúrbios sexuais

12/02/2018

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga-me
  • Grey Instagram Icon

Você gostaria de ler mais sobre algum outro tema? Deixe sua sugestão!

MedClínica 

R. Arthur Bernardes, 87
Centro - Coromandel/MG 

Fone: (34) 3841-1322

Terapia Familiar e Sexologia

MedSquare

Rua Rafael Marino Neto, 222

Jardim Karaiba - Uberlândia/MG

Fone: (34) 9.9927-1133

© 2017 por Sarah Martins

Desenvolvido por Dandoor Publicidade

Sarah Martins